Cosud SP

Home » SP apresenta ações da Defesa Civil no Litoral Norte como modelo de atuação
Share

SP apresenta ações da Defesa Civil no Litoral Norte como modelo de atuação

Estratégia de enfrentamento da tragédia em São Sebastião será apresentada em um dos 16 Grupos Temáticos que farão parte da programação

O 9º Encontro do Consórcio de Integração Sul e Sudeste (Cosud), que vai ocorrer entre os dias 19 e 21 de outubro na cidade de São Paulo, terá entre os temas debatidos as ações tomadas pelo Governo de São Paulo, por meio da Defesa Civil, após os deslizamentos de terra que atingiram o Litoral Norte paulista em fevereiro deste ano.

O conjunto de medidas tomadas pela Defesa Civil estadual será apresentado a agentes dos outros seis estados participantes durante as discussões do evento. Os debates visam mostrar exemplos de sucesso de atuação e fortalecer a cooperação entre os governos em áreas de interesse comum entre os estados.

Para isso, a Defesa Civil apresentará um painel com a ordem cronológica das ações. Os primeiros alertas começaram em 16 de fevereiro, três dias antes da tragédia.

Somente nas redes sociais do Governo, o alcance sobre os alertas foi de mais de 730 mil pessoas. O órgão ainda realizou contato com representantes dos 49 municípios das regiões afetadas sobre o risco dos eventos previstos para o período. Os alertas continuaram sendo enviados conforme a chuva persistia e avançava na região. No total, foram 14 alertas enviados.

Ao todo, foi empregado um efetivo de mais de 900 agentes no auxílio às vítimas da tragédia que atingiu seis municípios do litoral norte. Mais de 300 viaturas e 300 maquinários atuaram nas áreas afetadas. A operação envolveu, além da Defesa Civil, diversos outros órgãos, como o Corpo de Bombeiros, as polícias do estado, a Sabesp, entre outros órgãos estaduais, municipais e federais.

A força-tarefa coordenada pelo Governo de SP atuou em todas as frentes de resposta à tragédia: buscas e salvamentos, desobstrução de rodovias, restabelecimento de serviços essenciais e direcionamento de moradias provisórias para os desabrigados.

Outro ponto importante que será apresentado ao Grupo Temático é a rapidez das ações de resposta. Segundo os monitoramentos, os primeiros deslizamentos de terra começaram por volta das 3h do dia 19 de fevereiro, com envio imediato de equipes de sobreaviso da Defesa Civil do Estado e geólogos do Instituto de Pesquisas Ambientais do estado e do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT).

O painel da Defesa Civil ainda abordará as principais dificuldades para a atuação na tragédia do litoral norte, como o deslocamento até os locais, uma vez que os deslizamentos provocaram interdições na única rodovia de acesso às áreas de ocorrências mais graves: o transporte de bombeiros militares e o socorro das vítimas, por exemplo, só era possível por meio de aeronaves da Polícia Militar, da Polícia Rodoviária Federal e do Exército Brasileiro.

Os esforços também foram financeiros. O Governo de São Paulo liberou R$ 7 milhões para a Defesa Civil agir no auxílio às vítimas das cidades de Ubatuba, Ilhabela, Caraguatatuba, Bertioga e São Sebastião, sendo R$ 2 milhões somente para a última.

A Defesa Civil paulista ainda coordenou, em conjunto com o Fundo Social de São Paulo, o recebimento e o envio de mais de 112 toneladas de doações para as famílias atingidas.

Em relação à realocação dos desabrigados em pousadas das regiões, o órgão atuou visitando os abrigos para verificar as condições sanitárias, de abastecimento e a capacidade de lotação. Os agentes da Defesa Civil estadual fizeram acompanhamento diário das pessoas alocadas nas pousadas.

Na sequência, eles ajudaram na desmobilização dos abrigos e realocação de quase 1.200 pessoas em 21 hotéis, com recursos cooptados pela Secretaria de Desenvolvimento Econômico de São Paulo.

Nos dias seguintes à tragédia, entre 22 e 28 de fevereiro, a Defesa Civil fez emissões diárias de alertas sobre a possibilidade de novas chuvas. As recomendações eram para as pessoas não descerem para o Litoral Norte, além do convencimento dos moradores para que saíssem de forma voluntária das áreas consideradas de risco.

A Defesa Civil apoiou o trabalho de identificação de riscos das moradias de forma individualizada, junto aos órgãos técnicos e da prefeitura. O órgão também coordenou as ações de desmobilização e retirada humanizada daqueles que podiam voltar para suas residências com segurança.

O órgão também auxiliou nos estudos técnicos para as obras de contenção de deslizamentos de terras na Barra do Sahy, um dos pontos mais castigados pelos temporais em São Sebastião.

Inscrições

Mais informações e inscrições para as equipes de governos: https://sis.credenciaweb.com.br/master/inscricao/index.asp?eveId=106&ficId=73&insId=&tag=1&direction=next. Os interessados devem se inscrever primeiro no link acima e, já com sua inscrição confirmada no e-mail, podem baixar e acessar o APP do Cosud em seu celular.